A fila do desemprego

O Centro de Lauro de Freitas acordou hoje com uma fila quilométrica, com cerca de 500 pessoas que vão tentar uma das 99 vagas oferecidas pela SEMED - Secretaria Municipal da Educação, para os cargos de professor e auxiliar de classe (que no caso do auxiliar de classe, para a prefeitura, não precisa ser necessariamente um docente), para o processo seletivo simplificado pelo REDA – Regime Especial de Direito Administrativo. Tinha gente que chegou ao local, na Casa do Trabalhador, por volta das 3 horas da madrugada desta terça-feira (24), e ainda assim, não sabe se vai conquistar a vaga tão sonhada.

Esse “novo REDA” que a prefeitura está realizando na cidade, acontece após uma polêmica com os antigos concursados do mesmo processo (2013/2014), que tiveram o contrato interrompido entre o final do ano passado e início desse, sob a explicação de problemas orçamentários na pasta da secretária municipal da educação, Adriana Paiva. Vale lembrar que esse processo seletivo está acontecendo sem que os profissionais demitidos tenham recebido a rescisão do contrato; acordo feito pela prefeito Márcio Paiva e divulgado em documento ofício nº 16/2015 com data do último dia 10, que informava o compromisso de pagamento dos professores e auxiliares de classe naquele período; o que até agora não aconteceu para todos os demitidos.

Reda Lauro de Freitas 1.jpg
Reda Luro de Freitas 2.jpg
Reda Lauro de Freitas 3.jpg
conta que eu espalho.jpg

Quem sou eu?

Guilherme Santos, repórter, radialista e comunicador baiano que atua a serviço da população há mais de 30 anos

Matérias anteriores